Tuesday, July 03, 2007

Por que banana não tem caroço?



Essa é uma das perguntas mais mal respondidas na história da humanidade. Já vi um zilhão de respostas, algumas que tangenciam a resposta, mas em geral se perdem em detalhes sobre o que é ou o que não é caroço. Assim como a explicação de porque o céu é azul, a resposta completa não é exatamente trivial, mas ela existe. Só que já que até isso está sendo usado por criacionistas para tentar provar que o universo foi criado há 6000 anos, então eu acho que vale colocar isso aqui de uma forma mais clara na blogosfera.

Quando eu era pequeno, a primeira coisa que eu me perguntei quando constatei que bananas não tinham caroços foi "como é que nasce uma bananeira então?". Minha mãe, sábia e paciente, explicou que para fazer uma bananeira nova, você precisa pegar um pedaço da bananeira e enterrar. Mais pra frente, durante as longuíssimas aulas de botânica, entre os vários aborrecimentos, eu fiquei sabendo que a parte fora da superfície da bananeira é um pseudo-caule. Na realidade são folhas. E que o processo que minha mãe me explicou se chama propagação vegetativa, um processo de reprodução assexuado. Isso meio que elimina a necessidade das sementes para a reprodução das bananeiras. Mas isso não responde algumas questões. O que são os pontos pretos na banana? Se a banana não tem semente, porque a bananeira produz a fruta, uma fruta tão cheia de nutrientes, diga-se de passagem? E, mais importante, como é que surgiu a primeira bananeira? Agora eu peço paciência de vocês porque aparentemente vamos fugir do assunto. Mas já, já, eu chego na banana. Antes, vamos nos voltar para a genética.

As células eucariontes de quase todos os seres vivos possuem cromossomos e que os cromossomos dentro de uma espécie não variam muito. Por exemplo, o homem tem 23 pares de cromossomos nas suas células. Isso significa que nós temos 2 cópias de cada tipo de cromossomo. [Na realidade somente as mulheres tem 23 pares de cromossomos; os homens tem 22 pares de cromossomos, além do XY... mas vamos assumir que X e Y são idênticos para esse texto aqui!] Células que tem cromossomos aos pares são chamadas diplóides. Já o fungo que fabrica a nossa cerveja, o Saccharomyces cerevisae tem 16 cromossomos distintos. E sem repetição. Eles são, por isso, chamados haplóides. Os geneticistas, para colocar a informação sobre o número de cromossomos e o pareamento criaram uma notação compacta e bastante prática. O homem por exemplo tem 2n = 46 cromossomos enquanto que a levedura da cerveja tem n=16 em sua célula. Essa é uma notação bastante útil. Pois é fácil sabermos rapidamente que o gameta humano tem n=23 cromossomos e que o corpo esporulento da levedura terá 2n=32 cromossomos.

As várias anomalias genéticas podem, grosseiramente dividas em dois tipos: alterações que ocorrem dentro do cromossomo e alterações que ocorrem com cromossomos inteiro. E dentro das alterações do último tipo existem ainda dois tipos de aberrações: aneuploidias, que ocorrem quando a célula tem cópias ou deleções de um ou alguns cromossomos e euploidias, que ocorrem quando a célula tem cópias de conjuntos inteiros de cromossomo. Voltando para o nosso exemplo humano. Um indivíduo que tem síndrome de Down, por exemplo, tem uma cópia extra do cromossomo 21; o número de cromossomos dessa pessoa ser 2n=46+1. Isso é uma aneuploidia.

Mas nos interessa aqui apenas euplodias. Euploidias ocorrem quando a meiose dá errado. Se vocês se lembram, uma meiose bem sucedida ocorre quando uma célula diplóide gera quatro células haplóides e esse processo ocorre através de uma duplicação e duas segregações, como no esquema abaixo.



Acontece que às vezes, o processo não funciona perfeitamente durante um passo de segregação e a meiose pode gerar células diplóides:



Ocorre que a meiose é exatamente o processo envolvido na geração de gametas (espermatozóide, óvulo, oócitos, pólen), e a prole é gerada através da fusão de dois gametas. Quando dois gametas haplóides se fundem, temos um filho diplóide. Mas quando um gameta defeituoso diplóide se funde a um gameta haplóide, temos uma célula 3n! Esse tipo de processo pode acontecer com várias combinações possíveis formando células com tipos de euploidias diferentes. Podemos ter células 3n, 4n, 5n, ... Esse fenômeno se chama poliploidia.

Em animais, poliploidias costumam ser fatais e um embrião nem se forma, mas em plantas isso é bastante comum, como vemos no gráfico extraído do excelente livro Introduction to Genetic Analysis. Inclusive, plantas poliplóides costumam ser maiores do que as diplóides normais e portanto, costumam ser preferidas por fazendeiros.


Note no gráfico que as plantas com número de euploidia par formam picos enquanto que plantas de euploidia ímpar formam vales. Isso é uma evidência de que "plantas pares" tem alguma vantagem reprodutiva em relação a "plantas ímpares". E isso tem a ver com o processo de meiose. A meiose em uma célula "ímpar-plóide" costuma gerar gametas que sofrem de aneuploidia por causa da incapacidade de pareamento durante o processo de alinhamento de cromossomos na meiose. E aneuploidias costumam ser bastante destrutivas para os organismos porque ela mexe com o que os geneticistas chamam de balanço gênico (gene balance). Então organismos "ímpar-plóides" geram gametas estéreis.

E é por isso, amigos que a banana não tem caroço. Porque a banana que cultivamos hoje em dia é uma versão "impar-plóide" da banana original - mais precisamente triplóide. Aliás, é assim que agricultores produzem versões sem sementes de frutas como uvas, melões e melancias. Mas quer dizer então que se uma banana não for triplóide, ela teria caroços? Sim. E é isso que a primeira figura lá em cima mostra. Uma banana diplóide. E cheia de caroços.

10 comments:

  1. Adorei a clareza da explicação.
    Vou indicar aos meus alunos.

    ReplyDelete
  2. Parabéns. Muito claro e correto. Obrigada.

    ReplyDelete
  3. Gostei bastante do blog. Apesar de ser minha área de estudo (por isso sou meio suspeita pra falar) achei a explicação muito acessível. Parabéns.

    ReplyDelete
  4. A banana nao tem caroço, mas tem filamento grosso que dificulta a masticaçao.

    ReplyDelete
  5. Sou Carlos e moro em Limeira, na minha chacara tem um toceira de bananeira que so da esse tipo de banana, pergunto tem alguma outra utilidade pois comer é impossivel pois as sementes parecem mais pedriscos de concreto

    ReplyDelete
  6. Olá...
    A explicação está efectivamente correcta, mas detectei um erro na legenda da figura sobre a meiose. A primeira célula é 2n= 2 (um par de cromossomas com um cromatídio cada), a segunda 2n = 2 (mas neste caso cada cromosoma do par tem 2 cromatídios), terceira célula n= 1 (separação dos cromossomas homólogos, mas ainda contendo 2 cromatídios cada) e finalmente n= 1 (cada célula apenas possui um cromossoma de cada par e com apenas um cromatídio). Desculpe corrigi-lo após uma explicação tão elucidativa, mas realmente a simbologia "2n" é utilizada para o número de cromossomas de cada par de homólogos existente na célula, se quisessemos referir o número de moléculas de DNA utilizariamos a simbologia "Q". Assim, teriamos : 2Q = 2, 4Q=4, 2Q= 2, Q=1.

    Cumprimentos

    ReplyDelete
  7. WHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOAAA
    Sempre achei que era porque a banana não tinha flor macho O.o

    Caaaaaaaaaaaaaaaaaara isso foi muito loco =D
    XD

    Poxa, fiquei sabendo que se continuar assim, a banana vai sumir, cara!!
    D=

    ReplyDelete
  8. Cara, muuuuuuito shoow xD
    mas o que eu qeria sabeer, é porque existem uvas quee não tem carooço !
    entende?
    voou voltar aqî pra sabeer heiin, ;D
    valeeeeeeu ;)

    ReplyDelete
  9. Muitíssimo obrigado pela explicação !

    Vou imprimir e levar para meu amigo feirante que me deu uma banana de graça para que eu parasse de falar que as bananas selvagens tem caroço. :)

    E obrigado também por melhorar meu repertório contra idiotices criacionistas.

    ReplyDelete