Friday, December 14, 2007

Tarso Genro é um idiota

O imbecil do Paulo Henrique Amorim ficar falando jogando nas costas do FHC os danos, vá lá. Mas quando um ministro de estado fala uma coisa dessas, aí se vê a qualidade do nosso governo.

Tarso Genro acha que a CPMF caiu porque o ex-presidente tem inveja do governo Lula. O nível de ad hominem desse ataque é tamanho que em um país minimamente civilizado o ministro teria que cair. Não vai cair, pois estamos em banânia.

O Idiotismo no Brasil tem que acabar. Oposição não é oposição por birra ou por revanchismo como a nossa "intelequitualidade" gosta de falar por aí. A oposição está na oposição porque acredita que as vias de desenvolvimento são diferentes das que o governo está adotando.

O problema desses caras é que eles enxergam tudo sob a ótica da evolução marxista. Acham que agora que Lula chegou ao poder, as oposições vão ficar pra sempre na oposição. A história mostra que isso só acontece quando a situação parte pra esbirros totalitários. Porque em um momento, a situação perde. Perde porque é impossível para um governo abordar todos os aspectos possíveis. Daí a necessidade da rotatividade de poder.

Lula, sua corte e seus puxa-sacos acreditam realmente que esse governo de 8 anos do Lula mudou a história de uma forma positiva para todos. Não, presidente. A renda da classe média caiu. O crescimento do PIB foi irrisório. A educação piorou. O desperdício aumentou.

Lula melhorou algumas coisas sim, coisa que os defensores do governo gostam de cantar. Agora é preciso que uma coisa fique clara: Lula não é a última bolacha do pacote. Daqui a 3 anos ele deixará a presidência e num intervalo de 100 anos, ele deixará de existir, assim como todos nós. E só aí será possível fazer uma avaliação real de seus impactos. A eternidade real só é alcançada muito depois de morto, quando todas as emoções esfriarem. Vejam como a imagem de Getúlio Vargas tem despencado nos últimos anos. Veja como todos os líderes comunistas e fascistas, geniais de acordo com seus contemporâneos, estão sendo um a um jogados no lixo da história.

Aqueles que buscam a eternidade contemporânea são idiotas porque nunca alcançarão a fama genuína, uma vez que terão que viver em eterna campanha política. Abandone o "nunca antes neste país", Lula. Porque não há nada de novo debaixo do Sol.

11 comments:

  1. Oi,

    voce está enganado. Isso não é absolutamente um argumento ad hominem e coisas como essas costumam ser ditas a toda hora na política europeia sem que ninguem caia. De resto a explicação de Tarso Genro é bastante plausível.

    Voce diz que oposição não é por birra ou por revanchismo. E pode não ser? A verdade é que as classes acostumadas a mandar e a olhar os pobres de cima não se conforma que alguém vindo de baixo tenha virado presidente e mande no país.

    Por que voce acha que "esses caras" acham que a oposição vai ficar sempre na oposição? Por falar em crescimento, o crescimento do Brasil não foi irrisório, foi até muito bom dadas as condições.

    Seria bom que essas discussões pudessem ser conduzidas abertamente no blog do Reinaldo, mas o fato é que ele censura comentários críticos a toda a hora. Ele tem medo pânico de crítica. Blogs mantidos por jornais europeus não censuram comentários desse jeito. Falta honestidade ao Azevedo. Ele diz que vai estraçalhar os petistas usando a palavra e a lógica mas depois corta uma boa parte dos comentários críticos e foge à discussão. É covardia dele. O que voce acha?

    ReplyDelete
  2. Neste caso é um argumento ad hominem sim. O caráter do ex-presidente está sendo atacado ("ele é invejoso") e não suas idéias Eu realmente não sei se na política européia as pessoas fazem isso o tempo todo por lá, estão erradas. Isso que o Tarso Genro fez foi agir feito um bebezão diante de uma derrota política, que aliás nem foi dele.

    O seu segundo parágrafo já é um que é difícil de argumentar. Porque você comete o erro de análise que é justamente o problema: dividir a sociedade nas tais classes. Não que tais classes não existam, mas o fato é que um indivíduo não é eternamente membro de sua classe, nem deve ser. Lula, ao contrário do que ele gosta de falar, não é mais pobre, ou proletário, ou sindicalista. Ele agora é presidente e governa o país de todos. Mas ele se esconde e governa apenas para os seus eleitores, como se ele tivesse ganhado com 100% dos votos. Os que não gostam de Lula, como eu, tem ressalvas não sobre as origens humildes dele, mas ao fato de ele ser um mau presidente, um presidente que está ajudando a minar as instituições no Brasil, desrespeitando o conceito de federação (culpa compartilhada por inúmeros presidentes anteriores, diga-se) e aumentando desnecessariamente o gasto do estado com funcionalismo.

    Eu digo que "esses caras", os lulistas, acham que a oposição vai ficar pra sempre na oposição por ser capaz de interpretar texto. Eles falam como se estivessem tomado conta do cargo. Veja lá a convenção do PT querendo fazer uma assembléia constituinte para o Brasil e discutindo as pautas, como se a voz da oposição não tivesse nem que ser ouvida. Veja a quantidade de Medidas Provisórias (e nesse aspecto o FHC também pecou bastante) que Lula tem baixado, totalmente sem urgência como a da TV Pública, a da super-receita. Veja o mensalão. É o tipo de desestruturação do sistema que é bastante compatível com um pensamento proto-totalitário.

    Sobre o crescimento do Brasil, o dos últimos 4 anos foi irrisório. O PIB desse ano vai ser mais alto mesmo, mas se você olhar o acumulado, salvo alguns soluços, o país não cresceu o tanto que poderia. Mas esse é um ponto de discussão "foi, não foi".

    Não vou sair falando que o governo Lula foi o pior da história. Não foi: o Getúlio Vargas já foi presidente e eu acho que é difícil fazer mais besteira do que aquele um. Os presidentes da ditadura também foram infinitamente piores do que Lula, simplesmente pelo fato de eles estarem em uma... ditadura. Agora a situação atual não é nada diferente da República Velha, só que ao invés de Minas e São Paulo, a ciclo do poder está entre a esquerda da USP e a esquerda CUT.

    Sobre comentários... Eu não vou discutir o que Reinaldo Azevedo faz no blog dele porque eu não recebo um zilhão de comentários por dia. Mas o blog dele não é propriamente um blog, é uma mini-revista, um editorial. Ele não discute com seus leitores, não tem a via de mão dupla dos blogs de verdade. Não sei se é covardia, acho que é opção editorial dele. Que ele foge da discussão, isso ele faz sim. De novo, é a postura que ele adotou. Ele oscila bastante entre jornalismo e propaganda. Mas eu não o critico basicamente porque ele recebe dinheiro privado pra tal, não dinheiro dos impostos como nos "bligs" sustentados por propagandas estatais. É só isso que eu quero.

    Eu gostaria bastante de discutir mais em cima do seu segundo parágrafo porque ela traz exatamente o ponto que eu estou tentando trazer. Essa leitura marxista, apesar de ser uma leitura interessante, tem falhas. Ela esquece que tanto o empresário quanto o trabalhador sofrem. Em uma sociedade, todos tem suas dificuldades e o nível de dificuldade em geral está ligado ao seu ganho material. O Brasil possui distorções bizarras nesse sentido. Mas eu não acho que isso é culpa do capitalismo, acho que a culpa é da falta de capitalismo.

    Obrigado pela visita!

    ReplyDelete
  3. Apreciei a sua resposta, obrigado.
    Por que eu acho que o que o Tarso Genro disse não é um argumento ad hominem? Confesso que não tenho agora presente na mente tudo o que foi dito pelo FHC e pelo Tarso e posso estar enganado. Um argumento ad hominem é uma tentativa de refutar uma idéia referindo-se ao caráter da pessoa que proferiu a idéia. Ora, não sei qual a justificação que o FHC deu para o voto dele, se é que ele deu alguma justificação especial, mas não acho que o que o Tarso disse tenha sido dirigido contra os possíveis argumentos do FHC. O que o Tarso disse foi dirigido contra a conduta do FHC e nesse caso o que ele disse pode ter sido mais ou menos plausível ou aceitável, mas não é uma discussão acerca de argumentos e portanto não seria um argumento ad hominem. Aliás não acredito que o FHC tenha argumentos sérios contra o imposto do cheque. Foi no próprio governo dele que o imposto foi introduzido e desde então não surgiu nada que tenha mostrado que esse imposto seja especialmente injusto ou prejudicial. Isso seria uma discussão àparte que deixo de lado no momento.

    O seu segundo parágrafo é especialmente difícil de discutir porque ele fala de vários assuntos complexos e cada um deles levaria a extensas discussões. Acredito nos seus motivos, mas acho que voce está enganado acerca do ressentimento de partes das classes média e alta contra o Lula. O tom de crítica ao Lula chega a ser irracional porque uma boa parte das pessoas que o criticam se contentam em repetir clichês gastos e sem muito significado. Seria de se notar que até mesmo uma parte das chamadas "elites" está bem contente com o Lula e sabe que dificilmente haveria alternativas para uma política como a do Lula que acentua temas sociais. Muitas dessas críticas ao Lula que tenho visto parecem ser motivadas por puro ódio incontido. Não vêm que o Lula faz muita coisa positiva que aliás nem sempre foram iniciadas por ele, mas que já vinham de governos anteriores que essas mesmas pessoas apoiam (FHC). Não vêm também que muitas das coisas más do Brasil de hoje em dia já vinham de outros tempos e de outros governos. É claro que o governo do Lula cometeu falhas, é claro que existe incompetência a todos os níveis. O problema é que isso já era assim antes, que realmente existe incompetência administrativa, que sempre existiu muita corrupção no Brasil. É verdade que a classe política (e funcionários públicos e militares) gozam de muitos privilégios injustificáveis. O problema é que ninguém no Brasil tem poder para acabar com isso. O meu avô dizia já que há 60 ou 70 anos quem quizesse fazer negócios com o poder público (não especifico aqui o ramo do poder público para não surgirem problemas legais, mesmo que improváveis) tinha que pagar propinas. E vai por aí a fora. O Brasil precisaria de muita reforma mas não vejo quem possa se encarregar disso. Hoje mesmo vi em jornal sueco reclamações contra as mordomias (rendimentos) que os políticos que deixam o poder recebem. Até na Suécia!

    Quanto ao Lula governar para os seus partidários ou não: Isso é necessariamente uma questão subjetiva. Antes os partidários do Lula certamente achavam que os governos governavam a favor dos ricos e contra eles e tinham boas razões para pensar isso. Por que não achar que reformas sociais são necessárias ao país mesmo que beneficiem sobretudo uma parcela da população? Afinal todos esses benefícios estatais existem também em sociedades bem organizadas como as sociedades europeias. Sei que nem todos os esforços vão ter sucesso da mesma maneira que fracassou muito do que se tentou em outros dias. Quer se queira ou não, o Lula tem um mandato democrático para a política dele.

    Deixo a questão do blog do Azevedo para o próximo comentário. Acho que concordo com muito o que voce diz, embora também discorde de algumas coisas, mas achei boa a sua resposta.

    ReplyDelete
  4. Ainda para clarificar o que disse acima. É possível criticar a conduta de alguém falando de motivos inaceitáveis sem que isso constitua um argumento ad hominem. Posso dizer que uma pessoa é invejosa e que o que ela faz por causa disso é repreensível, sem estar fazendo um argumento ad hominem. Acredito.

    Sobre o blog do Azevedo. Acho que é um blog mantido por uma revista, em nome de uma revista e não conheço muitas outras publicações que adotem essa política dele. Se ele não quer reações de leitores ao que ele escreve por que ele não elimina todos os comentários? O que me parece repreensível é que comentários sejam eliminados seletivamente. Sim, ele poderia fazer isso, mas então por uma questão de honestidade deveria declarar abertamente qual a talk policy dele.

    Não compreendo que eu tenha ontem tentado discutir a questão do CMPF sem fazer nenhuma referência pessoal, nem mesmo mencionar o texto dele, e os meus comentários não terem aparecido. Quando critiquei o que outros comentaristas escreveram, aí o meu comentário apareceu (por outro lado quando respondo uma segunda vez ao que me responderam a minha resposta também é cortada às vezes). O resultado do procedimento dele é que não há njem pode haver uma discussão inteligente no blog dele. Virou apenas um espaço para uma seita boba. Não acho que isso seja bom para ninguém. Acho que quem está escrevendo sobre política, falando sobre idéias, deveria ser capaz de responder a críticas e que é hipocrisia dele dizer que vai "estraçalhar" os "petralhas" com a palavra e a lógica mas depois fugir apavorado da discussão.

    Vou ainda olhar mais o seu blog.

    ReplyDelete
  5. Eu vou elaborar um pouco melhor nos pontos que eu estou ressaltando aqui mais pra frente em posts futuros, mas eu já adianto que eu concordo bastante em vários aspectos o que você traz.

    Me parece que concordamos que o problema do Brasil não é o Lula, assim como o FHC não foi a salvação da lavoura. Os dois são presidentes e foram presidentes. O problema do Brasil é a "maldita cultura". Esta sociedade é muito dependente do estado, e fica a mercê dos políticos em quesitos onde o capitalismo poderia funcionar livremente.

    Quando eu digo que o governo Lula governa pros seus eleitores, eu não estou falando dos programas sociais, me expressei mal. Esses aí não são tão caros assim e os que atingem seu publico-alvo são bons, a crítica é a famosa "intriga da oposição". O que me incomoda são essas besteiras que Lula gosta de fazer como aumentar os ministérios, criar a TV Lula, aceitar o calote boliviano contra a Petrobrás pra investir de novo lá, apoiar o Hugo Chávez, aceitar o Banco do Sul... Os eleitores de Lula de quem eu reclamo não são os votos das massas genuinamente interessadas nos programas sociais, mas veja que não tem tanta gente assim nesse sistema. Minha reclamação é em relação aos "movimentos sociais", aos "intelequituais", as ONGs, os neo-coronéis nordestinos...

    Mas eu realmente gostaria de levar adiante essa discussão. Você tem algum blog (as coisas ficam mais fáceis!)?

    ReplyDelete
  6. Não, não tenho um blog próprio. Escrevi muito em jornais ingleses e só há pouco descobri o blog do Azevedo. Depois da liberalidade inglesa fiquei bastante chocado com o nível do blog do Azevedo. Não é o que se chama de "boa qualidade".

    Questões sobre o Estado, sociedade, e capitalismo são questões bem fundamentais, mas difíceis de discutir. Considero-me não mais do que um modesto e vagaroso aprendiz e por isso hesito em tentar aprofundar mais essas questões.

    ReplyDelete
  7. Então... o negócio que eu não entendo é que se as pessoas não gostam de usar o blog do Reinaldo Azevedo para ter discussões inteligentes, porque elas insistem em tentar isso? O caráter do blog dele é bem explícito: ele mantém só os comentários que ele quer e esse critério é altamente subjetivo. Lembro também de já ter lido que ele não gosta de discussões nos comentários dele. Eu uso os sistema de comentários dele mais para registrar algumas notas das quais eu gostaria de ouvir um comentário dele, ou para elogiar o estilo de escrita dele, que é particularmente bom - eu acho.

    Agora o Reinaldo Azevedo não é Deus e ele não costuma ir tão a fundo quando o assunto é política na prática. É nessa hora que ele foge da raia. Ele é bem profundo nas teoria política e na teologia (esta última não é de interesse pra mim, inclusive).

    O blog do Reinaldo, no fundo, não é muito diferente do blog do PHA sob esse aspecto de fanatismo. Ele também é um que gosta de falar só com as massas dele. A diferença (e aí eu sou enviesado) é que Azevedo escreve em português melhor e tem um alinhamento político mais descente que o do PHA, que usa recursos retóricos vazios com muito mais frequencia. O Reinaldo Azevedo foge de comentar os avanços do governo Lula. O PHA joga a culpa da crise na mídia. Existe uma diferença de escala gigantesca aí.

    Passeando pela blogosfera, você encontra muitos outros blogueiros que têm o maior interesse em discutir as questões, geralmente longe do sistema dos "pro-bloggers" e dos bã bã bãs, que geralmente são bons, mas sempre rasos e impessoais.

    O que eu critico no sistema todo é isso: "a maldita cultura" que não sabe votar com o bolso. Se as pessoas reclamam tanto do blog do Reinaldo Azevedo, parem de ler e procurem blogs que gostem de discutir. É ser mulher de malandro. Reclama que ele chuta os comentários mas continua comentando e dando ibope pra ele. A melhor punição pra esse tipo de comportamento é ignorá-lo, dar ibope pros outros blogs.

    Se você fizer um blog pra criticar os pontos do Reinaldo Azevedo, o google vai em pouco tempo subir seu nome no índice e suas opiniões serão levadas em conta e de uma forma mais impactante do que se você comentasse no blog do próprio.
    É preciso saber participar do mercado. Se você der uma busca por "Paulo Henrique Amorim" no Google verá que meu blog é o terceiro ou quarto, porque eu fiz uns 10 posts sobre o Paulo Henrique Amorim... e agora quem procura pelo nome dele na internet acaba encontrando minhas opiniões a respeito dele. Muito mais eficaz do que comentar no blog dele!

    ReplyDelete
  8. Estive ocupado algum tempo e não pude ver a sua resposta antes.

    Realmente o Azevedo escreve melhor do que a maior parte dos jornalistas. Quero dizer, o estilo dele é mais apurado, a gramática mais correta. Mas isso não indica muito acerca da qualidade do conteúdo. Acho que ele não é especialista em nada (economia, história, mesmo teoria política) e por isso os comentários dele são bastante frágeis. Dependem da cultura geral dele que é boa mas não dá para tudo.

    Voce tem razão no que voce escreve, mas como tinha dito eu estava mal acostumado por causa das discussões em inglês. Nunca vi ninguém, nem jornal, nem jornalista proceder da maneira que ele e por isso estranho. Acho problemático que uma revista de notícias proceda deste modo, afinal é um blog patrocinado pela Veja e não um blog particular. E parece que só um blog de uma publicação é que atrai um público considerável. Mas realmente não adianta nada se a discussão não tem qualidade e se o titular do blog só está interessado em propaganda.

    A idéia de um blog próprio seria interessante, mas não sou jornalista profissional e tenho limitações de tempo, não sei se me aventuraria a manter um blog meu, embora admire as pessoas que conseguem fazer isso.

    ReplyDelete
  9. É verdade, você está entre os top ten do Google em termos de "PHA".
    Sobre o Reinaldo Azevedo, quem faz a moderação é a Dona Reinalda. Às vezes ele também o faz. Ele tem que limpar muito lixo que mandam. Não dá para publicar. E nesta ceifada também vão as (boas( contraposições, que nunca saberemos.
    Inicialmente era bancado por ele mesmo. Daí a Veja o encampou, sem tirar-lhe a liberdade.
    A formação dele é em letras. Mas praticou jornalismo/pedagogia a vida inteira.
    Ademais, é melhor que a média que escreve nos blogs.
    Sim ele é enviesado. E é religioso fervoroso (um degrau a menos que o fanático). Se você conseguir colocar um filtro, a leitura é boa.
    O PHA não dá, é tosco. O Nassif degringolou, e eu o lia diariamente... O Mino Carta... Vou parar de listar que me dá náusea. A maioria dos bligs é mais alinhada que próton em campo de ressonância magnética.
    Mudando de tema, o que me espanta não é o Tarso Genro (aliás foi infantil o "FHC tem inveja", só faltou o "Bobo, feio!").
    O Mantega é que me impressiona: tudo que ele fala é desmentido em até 48 horas, seja por outros ministros, seja pelo presidente ou seja por técnicos da fazenda.
    É o MaGuido Mantega...

    ReplyDelete
  10. Desculpe, anônimo, mas eu não pude responder antes...

    Eu discordo de você sobre a qualidade do Reinaldo Azevedo. Eu gosto do que ele escreve e compartilho das opiniões dele. Acho que ele tem uma compreensão de mundo acima da média do jornalismo e do "jornalismo" brasileiro. Mas ele faz parte do jornalismo que tem como papel, além de informar, vender. E por isso que ele joga para a torcida dele. E isso é uma atitude inteligente: defender a própria opinião.

    Sobre as discussões em inglês, eu quero saber que debates você têm lido porque ao menos no cenário americano o viés é bizarríssimo. Temos os "liberals", os "conservatives", os "reagan republicans", os "greens" e cada um destes tem uma revista própria, um canal de TV... Por isso, eu insisto, o que eu já disse aqui: o empobrecimento do debate brasileiro não vem do enviesamento dos debatedores, mas da falta de debatedores. Não existe jornalista sem viés, isso é lenda, coisa que o Mino Carta e o Juca Kfouri gostam de achar que são. Toda a mídia tem o seu viés.

    A Carta Capital patrocina o Emir Sader (através da agência Carta Maior). O IG patrocina o Paulo Henrique Amorim e o Nassif. A Folha patrocina o Kennedy Alencar. A Globo patrocina o Ali Kamel, o Azenha (putz, esse é um idiota de grau maior) o Aguinaldo Silva, o Noblat e já patrocinou a Tereza Cruvinel. Todos esses aí que eu citei são pessoas de opinião, mais ainda, formadores de opinião, encampados por jornais e revistas.

    Até mesmo nossas opiniões sobre o que os outros escrevem é subjetiva. Eu concordo que o Reinaldo tem um componente propagandista do que ele escreve, ele escreve pra um público que é grande no Brasil mas é sempre esquecido: a classe média católica e conservadora. Mas eu não acho que por causa disso, o que ele escreve é vazio de conteúdo, muito pelo contrário. A forma como ele pautou a questão da CPMF, das greves nas universidades e tem participado da luta contra os livros didáticos toscos foram, na minha opinião, de um primor jornalístico.

    O negócio todo é o seguinte: vote com o seu dinheiro e o seu tempo. Pare de ler os blogs que você não julga justo e passe a ler os blogs que você gosta.

    ReplyDelete
  11. O Tarso Genro é um cara que eu acho perigoso porque ele tem na mão uma fonte de poder poderosíssima: a Polícia Federal.

    O Guido Mantega é um pobre coitado. Foi colocado pra ser proxy do PT na Fazenda, suas opiniões são ignoradas por todos, seu "desenvolvimentismo" é eclipsado pelos projetos da Dilma e do próprio Lula... enfim, ele conseguiu transformar a transição do BNDES para um ministério numa decadência. Dá até dó.

    ReplyDelete