Sunday, March 02, 2008

Briga entre Reinaldo Azevedo e Gerald Thomas

Não que eu tenha achado essa discussão interessante ou útil. Não, eu só estou escrevendo este post na vã esperança de atrair perdidos do google que escrevam as palavras briga, Reinaldo Azevedo e Gerald Thomas...

Bom, a briga toda começou com Gerald Thomas respondendo à coluna de Reinaldo Azevedo à Veja, sobre um assunto que agora é irrelevante, mas que começou com o muito barulho por nada da troca de poder em Cuba. Aí Reinaldo utilizou sua tradicional metralhadora, aliás bastante apurada, e saiu metendo o pau no coitado do dramaturgo da cueca verde. O problema todo, que aliás é o que acontece quando alguém tem uma bomba nuclear debaixo do braço, é que às vezes ela é jogada nos alvos errados. Aqueles que você julgava serem bárbaros invasores podem ser somente comerciantes perdidos nas estradas romanas.

Pelo visto, Gerald Thomas acabou percebendo a roubada intelectual na qual ele estava se metendo. Na polarização tradicional que Reinaldo Azevedo impõe na sua atitude eu contra o mundo, alguns indivíduos das hordas do PiG (PiG, não PIG) acabaram tentando se aliar ao Thomas, o que aparentemente fez o teatrólogo sair pela tangente e entender quem é o tal de Reinaldo Azevedo.

O que aconteceu daí pra frente é bem simples. De perto, todo mundo é humano, e as duas figuras acabaram por se confratenizar e tomar o café mais divulgado do ano e que deveria ter acontecido na ilha de Caras. Com um final casablanqueano de quem dizia que deve ser o começo de uma nova amizade.

O que pode se extrair disso? Talvez que Reinaldo Azevedo demonstrou que não é um Bill O'Reilly ou um neo-con da tradição americana - aliás, no dia que o Luís Nassif e seu exército souber o que significa de verdade neo-conservative, acho que ele vai parar de usar essa palavra nos textos dele sobre a Veja - e que essa boiada incrível que ele pagou para sair de uma briga demonstra a distinção do movimento conservador moderno brasileiro (que eu vou começar a chamar no meu blog de novo-con, porque neo-con é outra coisa).

De Gerald Thomas eu já não consigo extrair nada, além do fato de que a capacidade mental dele é maior do que a capacidade de escrita em blog. Eu não sou um cara chegado a teatro e não faço a menor idéia do impacto desse cara para a cultura universal. A única coisa que eu conhecia dele antes desse episódio todo era a tal da história da cueca verde. Que aliás é a única coisa que eu continuo a saber dele.

5 comments:

Ju said...

gostei do seu texto!
:)

Anonymous said...

O administrador do blog é um fascista que defende a liberdade de imprensa, mas é da imprensa dele, quando alguém pega o bicho em contradição, censura nele, no bom e velho estilo dos milicos de 64. Aliás, além de um cpoturno noturno, o que mais de ponta grossa vc gosta de noite, seu Shridhar?

Anonymous said...

O administrador do blog agride e atira como uma metralhadora giratória, mas não deixa a gente falar. E aí cascavel, como é que é a sensação de morder a língua, é amargo o seu veneno?

Anonymous said...

Fascistão, o grande defensor da liberdade própria de agredir deus e o mundo e não deixar ninguém se defender. Covardia, prepotência e arrogância, com isso se faz um defensor da liberdade, da democracia e do liberalismo.

Anonymous said...

Aí, ô pretinho, os gringos não vão deixar vc viver em paz aí não, apesar de vc ser baba ovo de mr Bill Pinton.