Saturday, October 08, 2011

Decifrando Ryan Gosling


Alguns atores fazem sempre o mesmo papel. Os exemplos mais famosos são Van Damme e Jackie Chan. O problema é tão grave que nem sabemos o nome do personagem no filme. Outros atores são bem sucedidos ao atuarem em variantes em torno de um estereótipo. Harrison Ford faz sempre o papel do durão bonzinho com uma veia anti-autoritária, Nicholas Cage sempre fazendo o papel de canastrão super correto. O grau de variação pode ser maior (Philip Seymor Hoffman) ou menor (Sylvester Stallone), mas estes são atores cuja presença anuncia o filme. Mesmo sem ler a sinopse, é possível saber qual o jeitão de um filme só sabendo que o filme terá George Clooney. Essa tarefa já não é tão trivial com alguns atores. Essa classe de atores, que inclui Brad Pitt, Leonardo Di Caprio, Matt Damon, Tom Hanks,  atua em filmes extremamente diferentes ao longo de suas carreiras. E, por serem bem sucedidos em papeis tão diversos, são justamente reconhecidos como atores especiais.

Eu não sei como definir Ryan Gosling. Assisti dois filmes com ele e, apesar dos papéis serem diferentes, não é tão fácil saber se Gosling é um ator que daquela classe. Não que esse seja um problema que me tira o sono. Desconhecia Ryan Gosling até mês passado, quando uma amiga minha me fez escolher entre "Capitão América" e "Crazy Stupid Love". Escolhi o último porque a idéia de Steve Carell e Julianne Moore num mesmo filme pareceu intrigante. Nesse filme Gosling faz o papel de um "pegador" de baladas que tenta ensinar Carell a viver novamente como um solteiro. O papel de Gosling exigia que ele fosse um cara completamente impessoal sem grandes complexos emotivos. O problema é que este é um tipo que qualquer ator, por mais péssimo, seria capaz de fazer. Então eu fiquei encucado. Seria Gosling um bom ator em um papel que não exige muito ou seria ele um péssimo ator que deu a sorte de escolher um bom filme. A temporada me daria dois outros filmes para tentar responder essa pergunta: "Drive" e "Ides of March".

Assisti "Drive" semana passada. O filme em si é um daqueles filmes polarizantes, feito para pessoas que gostam de cinema e filmes ultra-violentos. Se você gosta de Tarantino, você gostará de "Drive". Eu achei o filme genial: lento, kitsch, uma homenagem aos filmes dos anos 80, com tomadas cheias de neon e tipos caligráficos em rosa choque. As cenas de violência são tão pungentes que transitam da empolgação ao constrangimento e só terminam quando a coisa já está engraçada, de tão ridícula. O problema é que esse filme não foi capaz de resolver o paradoxo de Gosling. Porque o personagem dele é um motorista quieto com um passado obscuro e que raramente se expressa. A questão anterior segue e eu não sei dizer se ele é um bom ou um mau ator. O fato de que ele escolheu esses roteiros mostra que algum instinto ele tem. Os dois filmes são bons e sua filmografia traz títulos intrigantes como "Lars and the Real Girl". Mas eu não consigo deixar de notar que nos filmes que vi, o personagem que ele encarna poderia ser representado pelo pior ator do universo.

Felizmente "Ides of March" tem George Clooney. Ao menos eu tenho idéia do que o filme trará.

2 comments:

  1. Olhe, o primeiro filme que assisti com Gosling, foi Drive! Drive, é um filme perfeito, nota 10 em todos os quesitos! Porém, não deu pra saber se era realmente bom ator, tendo em vista que quando o papel cai como uma luva, qualquer besta trabalha bem! Esse foi o caso do Drive: não era qualquer ator que atuaria daquele jeito, é que o Nicolas deu uma de Tarantino e acertou em cheio na escolha dos atores! Depois fui assistir outros filmes com Ryan: tirando o "Blue Valentine"(que ele se empenhou demais e conseguiu fazer a sua segunda melhor atuação) não vi mais nada de expressivo, só atuações no máximo medianas, isso que estou sendo bonzinho em dizer "medianas"!

    Só pra citar um exemplo, no "Only God Forgives", o Refn quis porque quis usar o Gosling e veja no que deu: Ryan quase conseguiu estragar o filme! Se não fosse as excelentes atuações de Kristin Scott e Vithaya Pansringarm, esse filme seria um fracasso!



    Ryan assim como Bale, tem rosto com pouca expressão, mas o Cristian Bale faz muito mais com o que tem do que esse tal de Ryan Gosling!


    Espero que não fiquem tentando obrigar a todo mundo engolir ele, como fazem com o Ben Affleck!
    Já deu, sério.

    ReplyDelete
  2. Haha. Eu vi "Only God Forgives" e acho que o problema do filme é maior do que o Ryan Gosling...

    ReplyDelete